Quarta-feira, agosto 10, 2022

Polícia prende em Goiás jovem suspeito de matar padre durante assalto a igreja no DF

Rapaz tinha 17 anos na época do crime e é o quarto suspeito detido. Religioso foi encontrado com as mãos e pernas atadas e enforcado com um arame farpado

A Polícia Civil prendeu neste sábado (28), em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal, o quarto suspeito de matar o padre Kazimierz Wojn, de 71 anos conhecidos cojo padre Casimiro, em Brasília. O religioso foi morto durante um assalto na igreja que liderava, há três meses.

À época do crime, o suspeito tinha 17 anos de idade. Hoje, tem 18. A identidade não foi divulgada. A Polícia Civil do Distrito Federal localizou o rapaz após ele ser detido em Goiás por dirigir um carro roubado.

O delegado responsável pelo caso, Laércio Rosseto, da 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte), informou que no momento em que o jovem foi abordado pela polícia de Goiás, ele “se apresentou com o nome do irmão, mas estava sem os documentos”. Os familiares estavam “no radar” dos investigadores do DF, e a corporação foi avisada sobre a prisão.

Para confirmar a identidade, uma equipe da Polícia Civil do DF viajou neste sábado para Luziânia e averiguou a biometria do detido. Ele era monitorado desde a prisão de outros três suspeitos do crime, em setembro.

Confissão

De acordo com o delegado, o jovem confessou a participação na morte do padre. Ele diz ter amarrado os pés e as mãos da vítima. O religioso foi encontrado com os membros atados e enforcado com um arame farpado.

Ainda segundo o delegado, o jovem é residente do Entorno no DF e chegou a viajar para o Maranhão para fugir da polícia no mês seguinte ao crime. “Ele ficou escondido na casa de familiares”, conta.

O rapaz segue preso em Goiás até que a Justiça decida se ele continuará detido em Luziânia ou se será transferido para o Distrito Federal.

Outros presos

Também são suspeitos de participar do crime Alessandro de Anchieta Silva, de 19 anos, Antônio Willyan Almeida Santos, de 32 anos, e Daniel Souza da Cruz, de 29 anos. Eles estão detidos em Brasília

As investigações apontam que Alessandro seria o responsável por estrangular o padre. No entanto, os demais detidos se negam a confirmar que ele seria o culpado, segundo o delegado.

Devido ao fato de o quarto suspeito ser menor de idade na data do latrocínio, o tempo máximo de reclusão para o jovem em caso de condenação é de três anos. De acordo com a polícia, os demais podem ser condenados de 20 a 30 anos de prisão.

A Polícia Civil do DF chegou a informar que poderia haver um quinto envolvido, “responsável pelo fornecimento de informações para o grupo”. Questionado pela reportagem se essa participação está descartada, o delegado afirmou que “a priori, sim”.

Os três suspeitos do assassinato do padre Kazimierz Wojn, de 71 anos — Foto: Brenda Ortiz/G1

Os três suspeitos do assassinato do padre Kazimierz Wojn, de 71 anos — Foto: Brenda Ortiz/G1

O crime

O crime ocorreu em 21 de setembro deste ano na Paróquia Nossa Senhora da Saúde, na Asa Norte, em Brasília. Segundo as investigações, padre Casemiro foi rendido pouco após a missa, que acabou por volta das 19h daquele sábado. Padre é morto durante assalto em Brasília — Foto: Afonso Ferreira/G1

Padre é morto durante assalto em Brasília — Foto: Afonso Ferreira/G1

Um caseiro que mora no local também disse que foi amarrado, agredido e feito refém pelo grupo. Os suspeitos passaram cerca de 3 horas no local e levaram dinheiro, moedas de ouro, cheques, eletroeletrônicos e garrafas de bebida da paróquia.

Em seguida, pularam o muro e fugiram em ônibus. De acordo com o delegado da 2ª Delegacia de Polícia, na Asa Norte, Laércio Rossetto, o grupo comemorou o roubo com bebida e ostentação.

- Publicidade -- Publicidade -
ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -spot_img

POPULARES