Próxima etapa da retomada das atividades econômicas do Rio começa nesta sexta-feira (17). Quatro micropolos de bloqueios serão criados na cidade para evitar aglomerações.

A cidade do Rio entra nessa sexta-feira (17) na Fase 4 de sua reabertura econômica após as medidas contra o novo coronavírus. As pré-escolas e turmas de 1º e 2º ano que inicialmente estavam previstas para reabrir nesta etapa permanecerão fechadas, confirmou o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). Um decreto municipal já havia sido publicado nesse sentido, estendendo o fechamento até 3 de agosto.

“As curvas estão dentro do previsto. Porém, nós estamos avaliando que, nessa situação de transporte e de segurança, nós precisamos adiar um pouquinho. Tivemos um número crescente de multas, o que não gostamos, e estamos ouvindo a opinião pública: 60% das pessoas que ouvimos acham prematuro abrir as escolas”, disse Crivella.

Já os pontos turísticos voltam a abrir com 1/3 da capacidade e distanciamento mínimo de 4 m² por pessoa. Apesar da liberação da prefeitura, alguns espaços seguem fechados até a primeira quinzena de agosto, como é o caso do Pão de Açúcar, do Corcovado, do Aquario e do RioStar.

Nestes casos, a reabertura será unificada com outros equipamentos turísticos da cidade, com o objetivo de retomar as atividades de forma conjunta e segura, visando o bem-estar e a preservação da saúde de todos os visitantes e funcionários. Uma campanha com descontos para os cariocas deve ser divulgada em breve, segundo a prefeitura.

Nos clubes, as piscinas estarão abertas apenas para natação, não para lazer. Já os jogos de vôlei e futevôlei podem ocorrer nas quadras na praia de segunda a sexta, mas seguem proibidos nos finais de semana.

estacionamento na Orla também está autorizado a funcionar.

“As medidas de uso da máscara, afastamento social e uso de álcool gel têm feito com que as curvas caiam, de uma maneira vertiginosa. Isso nos deixa muito feliz”, disse Crivella.

Crivella anuncia Fase 4 de retomada econômica no Rio — Foto: Henrique Coelho/G1 Rio

Crivella anuncia Fase 4 de retomada econômica no Rio — Foto: Henrique Coelho/G1 Rio

Micropolos para conter aglomerações

A prefeitura anunciou também que vai criar micropolos com bloqueios em 4 pontos movimentados da cidade – Olegário Maciel, Dias Ferreira, Praça Vanhargem e Nelson Mandela – para restringir o fluxo de pessoas.

O objetivo, segundo Flávio Graça, superintendente Inovação, Pesquisa e Educação de Vigilância Sanitária, é aumentar a vigilância nas ruas e impedir aglomerações.

“A gente sabe que nesses polos a população está tendo um comportamento de aglomeração maior, e a gente precisa de uma fiscalização mais incisiva para não atrapalhar a atividade de bares e restaurantes”.

comércio de rua poderá funcionar com 2/3 da capacidade e respeitando o distanciamento de 4 m² por pessoa.

Em relação à educação, somente as universidades estarão abertas e ainda assim apenas para atividades práticas na área de saúde (medicina, fisioterapia, enfermagem etc).

O que está previsto na Fase 4

  • Esportes coletivos (de segunda a sexta) em quadras nas praias e lagoas
  • Lojas de shopping e estacionamentos – a capacidade passa a ser de 2/3
  • Pontos turísticos – com 1/3 da capacidade e distanciamento de 4 m² por pessoa
  • Reabertura de piscinas nos clubes para prática de natação
  • Comércio de rua – a capacidade passa a ser de 2/3 e o funcionamento aos sábados está liberado a partir das 9h
  • Reabertura de estacionamentos na orla
  • Reabertura de feiras de artesanato – somente para venda de produtos desse segmento, mas proibida a comercialização de alimentos e bebidas
  • Academias – o distanciamento que era de 6 m² por pessoa passa a ser de 4 m²

Quando anunciou o programa de flexibilização, em junho, Crivella disse que pensava em um retorno à normalidade em agosto. Porém, a data, segundo ele, precisará ser adiada. O Rio registra, até esta quarta-feira (15), 7.500 mortes e 65.489 casos da doença.

Todas as fases são acompanhadas por um Comitê Permanente de Gestão e Execução do Plano de Retorno. O monitoramento é diário, segundo a prefeitura.

Desmobilização de leitos

A prefeitura anunciou também que vai desmontar 200 leitos de enfermaria no Hospital de Campanha do Riocentro a partir desta sexta-feira, por causa da queda nos atendimentos dos pacientes de Covid-19.

“A capacidade irá de 500 para 300 leitos”, detalhou Márcio Lima, subsecretário de Atenção Hospitalar da Prefeitura do Rio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui