Três consultoras de carreira dão dicas de como aumentar as chances de se recolocar no mercado de trabalho.

A tradição é sempre a mesma: o ano novo chega e as resoluções se renovam. Mas, para quem está em busca de um emprego, não bastam pedidos e expectativas. É preciso planejamento e persistência para alcançar a tão sonhada vaga, segundo os recrutadores. Com a retomada lenta da economia complicando a recolocação de milhares de profissionais, o desemprego ainda elevado aumenta a concorrência na corrida pela vaga.

Especialistas dizem que a rotina diária de um profissional desempregado em busca de recolocação deve ser encarada como um trabalho. Segundo eles, essa rotina deve incluir atividades como enviar e atualizar currículos, se informar sobre o mercado e entrar em contato com pessoas que possam ajudar a encontrar a vaga.

“É preciso quebrar a crença de que se pode descansar um pouco até que outra vaga apareça. Enquanto isso, existem muitos concorrentes trabalhando para estar com a empregabilidade em alta”, alerta a mentora em recolocação, master coach e hunter Eliane Tenorio de Brito.

G1 ouviu Eliane, Mylena Cuenca, headhunter na Trend Recruitment, e Joana Lage, head de People da plataforma de recrutamento digital Revelo, para dar dicas de como aumentar as chances de arrumar um emprego em 2020.

1) Objetivo e autoconhecimento

Joana Lage: Reflita sobre o tipo de trabalho que busca. Quais são as oportunidades que se aplicam à sua realidade? Quais tipos de empresas têm a ver com os planos e objetivos futuros? O que exatamente procura? Estar por dentro do universo da sua profissão e investir em cursos de especialização, palestras e encontros informais ajudam a se manter atualizado e aumenta a rede de networking.

2) Escolha das empresas

Mylena Cuenca: Liste as empresas onde você deseja trabalhar para estar alinhado com a cultura organizacional e compartilhar dos valores empresariais. Prefere empresas com culturas mais agressivas, direcionadas para metas e resultados, porém, com um crescimento mais acelerado? Ou empresas mais colaborativas e inovadoras, com áreas de descompressão e ambientes inspiradores? Estude sobre esses ambientes de trabalho, sobre o propósito empresarial, converse com pessoas que trabalham nesses lugares ou conheça a cultura corporativa. Se você não se identificar com a empresa, não adianta investir tempo e energia para trabalhar nela.

3) Networking

Mylena Cuenca: Criar e cultivar redes de relacionamento é a melhor maneira de se recolocar no mercado de trabalho. Se o que você deseja em 2020 é um emprego, saiba que provavelmente essa oportunidade surgirá dentro da sua rede de relacionamentos. Quanto mais ativo você for, melhor; fale para as pessoas sobre seus objetivos e interesses, mostre seus potencias de carreira, compartilhe artigos, faça parte de grupos de discussões diversos. Não tenha receio de adicionar aos seus contatos headhunters ou profissionais de RH, essa é uma forma de mostrar que você está aberto a novas oportunidades. Lembre-se, quem não é visto não é lembrado, por isso, seja ativo na sua rede profissional.

4) Currículo

Eliane Tenorio de Brito: Seja específico quanto ao seu objetivo. Currículos devem ter, no máximo, duas páginas. E precisam ser bonitos, modernos, interessantes. Imagine o recrutador na frente da sua caixa postal fazendo a triagem inicial para um processo seletivo onde recebeu mais de 500 currículos para uma única vaga! Qual a chance de seu currículo ser selecionado? Junto com o currículo você pode enviar uma Carta de Apresentação, na qual faz o seu marketing pessoal, conta sobre suas principais realizações e já informa algumas de suas características comportamentais, as chamadas soft skills. Entregar currículos impressos também funciona. Dependendo da cultura da empresa ou da cidade, ainda é comum receber currículos impressos. Cidades do interior estão mais abertas para isso. Mas tome cuidado: coloque seu currículo em um envelope limpo e nunca, jamais, entregue currículos amassados ou rasurados.

5) Planejamento

Joana Lage: Neste momento, encontrar uma oportunidade deve ser prioridade em sua vida. Por isso, é importante estabelecer metas referentes ao número de horas dedicadas, quantos currículos serão mandados por dia, quais plataformas fazem sentido para essa busca.

6) Mídias sociais

Eliane Tenorio de Brito: O uso das mídias sociais deve se tornar um hábito, uma obrigação. Cadastrar seu currículo nos sites de empregos, nos sites das empresas onde você gostaria de trabalhar e no LinkedIn, que tem estratégia para elevar seu networking desde que você faça a sua parte na interação com pessoas-chaves. Criar um perfil não é suficiente. Tem que fazer networking todos os dias. Você deve buscar interação com pessoas estratégicas, porém, com o devido cuidado para não se tornar invasivo. Curtir e comentar as publicações de quem você segue é muito saudável. Se gosta de escrever, escreva pequenos posts sobre sua área de atuação, isso vai gerar movimentação no seu feed.

7) Atualização profissional

Mylena Cuenca: Invista tempo na sua atualização profissional. Pode ser um curso de idiomas, uma habilidade técnica não desenvolvida, habilidades comportamentais, como a de liderança, por exemplo. Essa é uma etapa de médio e longo prazo porque exige estudo e tempo. Uma vez identificada, comece a desenvolver essa atualização, não espere ser chamado para uma posição ou ser cobrado, seja proativo. Isso também se aplica à reciclagem do conhecimento, a se manter atualizado sobre seu mercado de atuação, e a acompanhar novas tecnologias que impactam o dia a dia do seu trabalho. Essa etapa é muito importante, principalmente para quando você estiver na etapa de entrevista presencial.

8) Soft skills

Eliane Tenorio de Brito: É importante conhecer as soft skills (habilidades comportamentais), pois conhecendo suas qualidades e seus pontos a serem melhorados você ficará mais à vontade para conversar com o recrutador a respeito. Se o recrutador pergunta “Quais são seus pontos fracos?” e você responde: “Sou muito ansioso”, você se enquadra entre os 90% dos candidatos que respondem a mesma coisa. Você poderia trocar essa resposta por algo do tipo: “Considerando que meu perfil predominante é o executor, eu foco muito no resultado e não me atento muito ao detalhamento das coisas, ponto ao qual preciso direcionar minha atenção”. Além disso, competências como empatia, sociabilidade, condescendência, dominância e perfil multitarefa são muito apreciadas e vêm sendo também avaliadas em processos seletivos que usam inteligência artificial para selecionar candidatos.

9) Entrevista

Eliane Tenorio de Brito: Se preparar para uma entrevista não é tão simples como parece. Você precisa ser diferente da maioria, se destacar e sair dos clichês. Isso começa no retorno do e-mail agendando a entrevista, passa pelo seu vestuário, pelo perfume que você não deve usar, por técnicas como o rapport (conexão) com o recrutador, foco nas respostas, olho no olho e técnicas de negociação para utilizar quando o recrutador lhe perguntar qual a sua pretensão salarial. Nesse caso, evite dizer um valor logo de cara, procure saber o pacote de benefícios e outras vantagens que podem agregar valor ao seu salário antes de dizer o que pretende ganhar. Entrevistas online estão sendo cada vez mais utilizadas, por isso, esteja preparado. Verifique se o aplicativo está funcionando antes do horário agendado, não se atrase e olhe para o recrutador.

10) Atitude positiva e persistência

Joana Lage: Encontrar um emprego é um processo. Apesar do desgaste, mantenha uma postura positiva e aprenda com os feedbacks negativos. Seja perseverante e transpareça seu foco em conquistar o resultado estabelecido no começo de sua jornada. Essa atitude é inclusive observada pelos recrutadores durante conversas e entrevistas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui