Segunda-feira, agosto 15, 2022

Ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes é alvo de mandado de prisão na Lava Jato

Operação procura suspeitos de ter ajudado Dario Messer, considerado o doleiro dos doleiros, a ocultar patrimônio e fugir. Namorada de Messer e outros dois homens foram presos.

O ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes é alvo de mandado de prisão preventiva em um desdobramento da Lava Jato nesta terça-feira (19).

A suspeita é que ele tenha ajudado na fuga de Dario Messer, considerado o doleiro dos doleiros. Messer está preso desde o fim de julho.

A decisão é do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal fluminense, e Cartes terá o nome inserido na Difusão Vermelha da Interpol — a lista de procurados distribuída em aeroportos do mundo todo.

A decisão diz que, em junho de 2018, quando estava foragido, Messer mandou uma carta ao ex-presidente do Paraguai pedindo US$ 500 mil para cobrir gastos jurídicos.

O valor, escreveu Bretas, foi repassado ao doleiro por intermédio de Roque Fabiano Silveira, um dos procurados desta terça-feira.

Até a última atualização desta reportagem, a Polícia Federal havia prendido quatro pessoas de um total de 20 mandados de prisão — os demais estão no exterior.

  1. Myra Athayde, namorada de Dario Messer, presa no Rio;
  2. Najun Azario Flato Turner, doleiro, preso em São Paulo;
  3. Orlando Stedile, preso no Rio;
  4. Valter Pereira Lima, segurança, preso em São Paulo.

Namorada de Dario Messer, Myra Athayde, fez várias viagens ao Paraguai — Foto: ReproduçãoNamorada de Dario Messer, Myra Athayde, fez várias viagens ao Paraguai — Foto: Reprodução

Namorada de Dario Messer, Myra Athayde, fez várias viagens ao Paraguai — Foto: Reprodução

Orlando Stedile, preso na Operação Patrón — Foto: Reprodução/Redes sociaisOrlando Stedile, preso na Operação Patrón — Foto: Reprodução/Redes sociais

Orlando Stedile, preso na Operação Patrón — Foto: Reprodução/Redes sociais

Najun Azario Flato Turner, preso na Operação Patrón — Foto: Reprodução/TV GloboNajun Azario Flato Turner, preso na Operação Patrón — Foto: Reprodução/TV Globo

Najun Azario Flato Turner, preso na Operação Patrón — Foto: Reprodução/TV Globo

A Operação Patrón

A operação foi batizada de Patrón e é um desdobramento da Câmbio Desligo. Em espanhol, a palavra significa “patrão” e é o termo reverencial que Messer se referia a Cartes. O ex-presidente paraguaio é amigo da família Messer.

Desta vez, a ação tem como alvos pessoas que o ajudaram a fugir ou ocultar seu patrimônio.

A ação visa a cumprir mandados judiciais no Rio, em Búzios, em São Paulo e em Ponta Porã (MS), na fronteira com o Paraguai.

Pedidos de prisão preventiva

  1. Alcione Maria Mello de Oliveira Athayde
  2. Antonio Joaquim da Mota
  3. Arleir Francisco Bellieny
  4. Cecy Mendes Goncalves da Mota (mãe)
  5. Dario Messer
  6. Edgar Ceferino Aranda Franco
  7. Felipe Cogorno Alvarez
  8. Horacio Manuel Cartes Jara
  9. Jorge Alberto Ojeda Segovia
  10. José Fermin Valdez Gonzalez
  11. Lucas Lucio Mereles Paredes
  12. Luiz Carlos de Andrade Fonseca
  13. Maria Leticia Bobeda Andrada
  14. Myra de Oliveira Athayde
  15. Najun Azario Flato Turner
  16. Roland Pascal Gerbauld
  17. Roque Fabiano Silveira

Pedidos de prisão temporária

  1. Antonio Joaquim Mendes Gonçalves da Mota
  2. Orlando Mendes Gonçalves Stedile
  3. Valter Pereira Lima

G1 não conseguiu contato com as defesas de Cartes e Turner.

Dario Messer quando foi preso e em foto de arquivo — Foto: Reprodução/TV GloboDario Messer quando foi preso e em foto de arquivo — Foto: Reprodução/TV Globo

Dario Messer quando foi preso e em foto de arquivo — Foto: Reprodução/TV Globo

Cartes deixou o poder em 2018

O ex-presidente paraguaio Horacio Cartes deixou o poder em agosto de 2018 após cinco anos de mandato.

O empresário, considerado um dos mais ricos do Paraguai, chegou ao poder em abril de 2013. Sua eleição representou o retorno ao poder do conservador Partido Colorado, que dominou a política local durante 60 anos, incluindo os mais de 30 anos da ditadura de Alfredo Stroessner.

A hegemonia do partido havia sido interrompida em 2008, ano da eleição de Fernando Lugo, deposto do cargo em 2012.

O ex-chefe de Estado paraguaio é presidente do Grupo Cartes, um conglomerado de empresas que produzem bebidas, cigarros e charutos, roupas e carnes, além de gerenciar diversos centros médicos.

Ele se associou ao Partido Colorado apenas em 2009. Por isso, quando assumiu a Presidência da República, aos 56 anos, ele era considerado novo na política.

Porém, ele já era muito conhecido por sua trajetória empresarial. Após cursar a universidade nos Estados Unidos, ele retornou ao Paraguai para iniciar sua vida no mundo dos negócios, na empresa do pai, Ramón Telmo Cartes Lind.

- Publicidade -- Publicidade -
ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -spot_img

POPULARES